Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

25
Jul13

Praia da Nazaré

Armando Isaac

A Praia da Nazaré é de uma das mais tradicionais vilas piscatórias portuguesas, possuindo a praia de banhos mais concorrida do litoral Oeste, onde ainda se podem encontrar, no areal, algumas mulheres vestidas com o tradicional traje de sete saias, a cuidar do peixe que seca ao sol.

A praia de banhos, completamente integrada na área urbana pelo casario da marginal, é limitada a norte pelo promontório e a sul e pelo molhe do porto de abrigo, conservando no Verão as tradicionais barracas de pano com riscas de cores fortes. Banhada por um mar por vezes bravio e com ondulação forte, é ideal para a natação, o surf e o bodyboard.

Para apreciar a beleza do areal em toda a sua extensão bem como o casario da Praia da Nazaré vale a pena subir ao Sítio da Nazaré, através do elevador com mais de cem anos, que liga o centro da vila ao seu ponto mais alto.

No dia 01/11/2011  a Praia da Nazaré andou nas bocas do mundo, pois o surfista Havaina, Garret McNamara surfou (na região conhecida como Norte do Canhão), uma onda medida pelo Billabong XXL Global Big Wave Award de 2011 com 78 pés, entrando para  o Guiness Book of Records , mostrando como o canhão de Nazaré tem potencial para a prática de tow-in em ondas gigantes. No dia 28/01/2013 o surfista Garrett Mc Namara surfou novamente uma onda calculada em 34 m (112 ft) que poderá bater o seu recorde anterior, já considerada a maior de sempre, segundo o Guinness.

O Canhão da Nazaré, ou Canal da Nazaré é um desfiladeiro submarino de origem tectónica situado ao largo da costa da Nazaré, relacionado com a falha da Nazaré-Pombal, começando a definir-se a cerca de 500 metros da costa. Considerado por muitos o maior da Europa, separa a costa da Península Ibérica na direção este-oeste desde a plataforma continental, numa extensão de cerca de 211 km começando a uma profundidade de 50 metros até à planície abissal Ibérica onde atinge profundidades na ordem dos 5000 metros.

O Canhão de Nazaré também funciona como um polarizador de ondulações. As ondas conseguem viajar a uma velocidade muito maior pela falha geológica, chegando na costa praticamente sem dissipação de energia. A Praia do Norte, na vila de Nazaré, apresenta consistentemente ondas significativamente maiores do que o restante da costa portuguesa por conta do Canhão de Nazaré. As correntes predominantes de norte funcionam como condutas sedimentares, ao longo das quais há intensificação dos processos de transporte de partículas entre a zona costeira e o domínio profundo do mar, o transporte de matéria particulada (sedimentos) ao longo de todo o canhão parece eficiente. 

 

Fonte: Wikipédia


A praia
As barracas de praia
Veraneantes em pose
As barracas de praia
Uma visão pouco habitual da praia
Vista da praia para Sul
As barracas de praia
Vista da praia para Sul
Vista para Sul
A foz do rio Alcôa
A praia a Norte
Vendedeira de bolos
As bandeiras
Cadeira privativa do Guimarães
Peixe seco
Paneiros de carapau seco
Vista do Sítio
Vista do Sítio
Vista do Sítio
Um dos miradores do Sítio
Padrão de Vasco da Gama 
Capela da Sra da Boa Memória
Vista do Sítio
Largo da Igreja de N. Sra da Nazaré
Pedra do Guilhim
Praia do Norte
Cabeça de Gorila


FOTOS: © Armando Isaac

13
Jul13

Navegar

Armando Isaac

Navega, descobre tesouros, mas não os tires do fundo do mar, o lugar deles é lá.

Admira a Lua, sonha com ela, mas não queiras trazê-la para Terra.

Goza a luz do Sol, deixa-te acariciar por ele. O calor é para todos.

Sonha com as estrelas, apenas sonha, elas só podem brilhar no céu.

Não tentes deter o vento, ele precisa correr por toda a parte, ele tem pressa de chegar, sabe-se lá, onde.

As lágrimas? Não as seques, elas precisam correr na minha, na tua, em todas as faces.

O sorriso? Esse deves segurar, não o deixes ir embora, agarra-o!

Não importa se a estação do ano muda, se o século vira, conserva a vontade de viver, não se chega a parte alguma sem ela.

Abre todas as janela e as portas, também.

Persegue o sonho, não o deixes viver sozinho.

Alimenta a tua alma com amor, cura as tuas feridas com carinho.

Descobre todos os dias, deixa-te levar pelas tuas vontades, mas não enlouqueças por elas.

Procura! Procura sempre o fim de uma história seja ela qual for.

Dá um sorriso àqueles que se esqueceram como se faz isso.

Olha para o lado, há alguém que precisa de ti.

Abastece o teu coração de fé, não a percas, nunca!

Mergulha de cabeça nos teus desejos e satisfá-los.

Agoniza de dor por um amigo, só sairás dessa agonia se conseguires tirá-lo, também.

Procura os teus caminhos, mas não magoes ninguém nessa procura. Arrepende-te, volta atrás, pede perdão!

Não te acostumes com o que não te faz feliz, revolta-te quando julgares necessário.

Enche o coração de esperança, mas não deixes que ele se afogue nela.

Se achares que precisas de voltar atrás, volta!

Se perceberes que precisas seguir, segue!

Se estiver tudo errado, começa novamente.

Se estiver tudo certo, continua.

Se sentires saudades, mata-as.

Se perderes um amor, não te percas!

Se o achares, segura-o!

Circunda-te de rosas, ama, bebe e cala.

“O mais … é nada”.

 

Navegar - Fernando Pessoa


Ana Sofia e o poeta
Lua Cheia
Nicole
Rosa encarnada

  FOTOS: © Armando Isaac

08
Jul13

Picaria à Vara Larga

Armando Isaac

jogos de virilidade

 

 

A Picaria é a expressão lúdica dum tempo de faina indissociável de todo e qualquer tempo: releva de códigos de honra e de valores associados à exibição e reprodução da masculinidade. É o perigo que confere qualidade a um entendimento muito próprio de “homem”. Seguramente, ser conhecido como um valente e temerário é uma das considerações que envolve o ser na sua plenitude. A tradição ainda proporciona situações limite e excitação socializante.

A campinagem inscreve-se e resiste muito para além do tempo de trabalho, radicando em exclusivo numa filosofia de vida que só os corajosos podem interpretar, quer a solo quer em grupo, infundindo um espirito de solidariedade seja entre campinos seja entre estes e os animais indispensáveis à condução dos touros: cavalos e cabrestros. Os animais domesticados não são unicamente instrumentos mas também fontes de confiança e de conforto.

Por força do estatuto que o contacto com o perigo impõe por si, personalizado no touro bravo, a “vida brava” tem inspirado a legitimação das existências, desafiando a comprovação do carácter. É uma demanda revestida da mais solene ombridade onde nada mais existe do que o homem de corpo inteiro: os seus medos e a sua coragem. É por respeito que os “marialvas” discutem a galhardia no campo do campino, com o touro como mediador. A picaria é um jogo de transcendência em que se pode perder muito, a vida inclusive, e ganhar somente o reconhecimento e o respeito que a condição humana sempre exige. 

 

 

intimidade com a morte

 

 

Não basta a coragem, um bom cavalo e anos de experiência. A vida é intima da morte e sempre que a actividade humana ultrapassa os limites da previsibilidade e pode ser interrompida a normal boa ordem das coisas a sociedade implora a protecção de uma entidade superior. Entramos na ordem do sagrado e da intervenção divina como garantia da reposição da ordem face a uma ameaça entendida como caótica, como desordem: o touro. Os rituais exorcizam o perigo e dissipam a angústia.

 

 

 

aceleração da complexidade










 

O conjunto acelera a complexidade, eleva a incerteza ao mesmo tempo que ajusta a solidariedade. Não é a potência mas a fragilidade que inebria os cavaleiros. Armados de pampilho jogam-se numa correria vertiginosa com cavalos e cabrestros impelindo e avolumando a tensão das unidades: a interdependência assusta. A beleza é da ordem do sentir, dos corações que cavalgam a parada de cabrestros.

A condução do cabrestros é a representação de uma das fainas mais perigosas das lezíria: apartação e condução dos touros. 

 

 

exercício de confiança

 

 

 

Quando em grupo os touros são animais de fácil condução, que tomam os cabrestros e alinham indiferentes ao ritmo e caminho definidos. Mas quando isolados, os touros são perigossissímos e é nessa ocasião, então, na intenção de reconduzi-los ao seio da manada, que se impõe ao campino um arrojo e destemor a toda a prova. Os terrenos, normalmente acidentados, não ajudam, e a queda da montada sempre espreita, deixando o campino à mercê do touro, à colhida. Sem confiança no cavalo é impossível qualquer movimento seguro de aproximação ao touro. O cite, a reunião, a vara, acontecem sempre com o coração nas mãos, coração compassado com o coração do cavalo, com a agilidade e a perícia partilhada num tempo em comum. Encabrestar nunca é um exercício de solidão.

 

 

dilatação do tempo



 

A picaria é um exercício de domínio do touro, regido sob o signo da serenidade que só os mais hábeis e as melhores montadas permitem. O mérito da vara procede do “temple”, da dilação da reunião entre o cavaleiro a rês, aguentando o homem o touro na ponta do pampilho e na garupa da sua montada. 

A demora do temple é a representação manifesta do domínio de si e do mundo, evocada num conjunto harmonioso de velocidade, de poeira, de vontades dissonantes e riscos: trata-se de “mando”, de impôr-se sobre a resistência do touro. O temple é uma metáfora da domesticação do mundo, é a própria alma.

 

 

 

exaltação social

 

 

Correr perigo, estar mais perto da ameaça representa uma necessidade humana que a cultura transformou em desejo, pelos benefícios que traz a nível social e individual. Demonstrar valentia e bravura traz as suas vantagens. Os indivíduos que exibem determinados aspectos físicos atraentes ficam numa posição mais favorável em relação aos que não denunciam qualidade atractivas. Beneficiam de uma inclinação humana que acredita que as pessoas que têm uma característica positiva possuem também outras. Se o individuo fôr corajoso acabamos também por formular que será solidário. As sociedade funcionam, portanto, em referência a valores dominantes comuns que reflectem um determinado entendimento do mundo e da vida social. Cada sociedade reproduz um modelo de homem que sintetiza determinadas caracteristicas positivas e é exaltado socialmente. A picaria está também para além de qualquer lugar idílico ou utopia, é um lugar de confronto em que homens roubam o protagonismo a outros homens.


FOTOS: © Armando Isaac

TEXTO: © Vitor Mendes (antropólogo)

06
Jul13

Modelo do Ano 1995 - Sofia Baessa

Armando Isaac

Dar o corpo pela roupa

Para mostrar as virtudes de todas as roupinhas é necessário recorrer a corpos capazes de apresentar as melhores performances dos trapinhos. Para dar corpo à roupa, exigindo altas performances, o melhor é sempre o recurso aos "tops models". A propósito desta matéria fica o exemplo da Sofia Baessa, uma top em ascenção. Depois de tersido eleita "O Modelo do Ano" em 1995, Sofia Baessa participou nos desfiles em Paris. Começou com a alta costura em Janeiro de 1966 e destacou-se ao fechar o desfile de Paco Rabanne. Espanha, nos quatro shows da Cibelles, mereceu o destaque da imprensa espanhola que a considerou como modelo revelação de passerelle.

A próxima etapa de Sofia Baessa passará pelos desfiles de Milão.

J.M.C.  in Diário Económico de 1995.04.10


Tive o privilégio de, no início da carreira de modelo em 1994, de efectuar uma sessão fotográfica, a cores e a p&b, com a Sofia Baessa. Devo referir que a Sofia era uma simpática e lindissíma modelo de tez cor de chocolate, sempre disponível para efectuar as poses de acordo com aquilo que lhe transmitia.

A reportagem que vos apresento, foi feita com base em fotos analógicas impressas em papel e posteriormente digitalizadas!

Armando Isaac


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


FOTOS: © Armando Isaac

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Mensagens

Calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D