Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

26
Fev19

Arte Urbana

Armando Isaac

Um  graffiti é uma inscrição feita em paredes, existentes desde o Império Romano. Considera-se graffiti uma inscrição caligrafada ou um desenho pintado ou gravado sobre um suporte que não é normalmente previsto para esta finalidade. Por muito tempo visto como um assunto irrelevante ou mera contravenção, atualmente o graffiti já é considerado como forma de expressão incluída no âmbito das artes visuais, mais especificamente, da arte urbana - em que o artista aproveita os espaços públicos, criando uma linguagem intencional para interferir na cidade. Entretanto, há quem não concorde, equiparando o graffiti à pichação. Grafitar locais públicos ou privados, sem autorização dos respectivos proprietários, é atividade proibida por lei em vários países.

Fonte: Wikipédia

 1 - Bairro Padre Cruz

DSCF0498.jpg

 

DSCF0499 Bairo Padre Cruz.jpg

 

DSCF0500.jpg

 

DSCF0509.jpg

 

DSCF0501.jpg

 

DSCF0503.jpg

 

DSCF0504.jpg

 

DSCF0505.jpg

 

DSCF0506.jpg

 

DSCF0508.jpg

DSCF0510.jpg

 

DSCF0511.jpg

 

DSCF0514.jpg

 

DSCF0516.jpg

 

DSCF0517.jpg

 

DSCF0518.jpg

 

DSCF0519.jpg

 

DSCF0521.jpg

 

DSCF0522.jpg

 

DSCF0525.jpg

DSCF0527.jpg

 

DSCF0529.jpg

 

DSCF0530.jpg

 

DSCF0533.jpg

 

DSCF0534.jpg

 

DSCF0535.jpg

 

DSCF0540.jpg

 

DSCF0541.jpg

 

DSCF0545.jpg

 

DSCF0547.jpg

DSCF0549.jpg

 

DSCF0550.jpg

 

DSCF0552.jpg

 

DSCF0555.jpg

 

DSCF0556.jpg

 

DSCF0559.jpg

 

DSCF0560.jpg

 

DSCF0563.jpg

 

DSCF0564.jpg

 

DSCF0567.jpg

DSCF0569.jpg

DSCF0570.jpg

DSCF0574.jpg

2 - Amadora

DSCF0577.jpg

 

DSCF0578.jpg

 

DSCF0581.jpg

 

DSCF0583.jpg

 

DSCF0588.jpg

 

DSCF0589.jpg

 

DSCF0590.jpg

 

DSCF0595.jpg

 

DSCF0608.jpg

 

DSCF0610.jpg

Fotos: © 2019 Armando Isaac 

 

29
Jan16

Utopia e Águas Livres

Armando Isaac

Utopia é um termo inventado por Thomas More que serviu de título para sua principal obra escrita em latim por volta de 1516. Segundo a versão de vários historiadores, More fascinou-se pelas narrações extraordinárias de Américo Vespúcio sobre a recém avistada ilha de Fernando de Noronha, em 1503. More decidiu então escrever sobre um lugar novo e puro onde existiria uma sociedade perfeita. Na sua obra, Thomas More explica que para melhor resolver os problemas de uma sociedade é preciso um esforço teórico e prático de racionalidade. Os Utopianos praticam um sistema tendencialmente igualitário de repartição de bens sociais, pressupondo um socialismo (socialismo utópico).
Utopia tem como significado mais comum a ideia de civilização ideal, imaginária, fantástica. Pode também ser utilizado para definir um sonho ainda não realizado. Uma fantasia, uma esperança muito forte. Utopia é um projeto humanista de transformação social e representa aspectos capitais do humanismo renascentista.
Águas Livres é uma freguesia portuguesa do concelho da Amadora com 2,21 km² de área e 37 426 habitantes (Censos de 2011), com uma densidade de 16 934,8 hab/km².
Foi constituída em 2013, no âmbito da reforma administrativa nacional, integrando o território da antiga freguesia da Damaia, a parte Sul da antiga freguesia da Reboleira e a parte Norte da antiga freguesia da Buraca.

Fonte: Wikipédia

 

1.jpg

 

2.jpg

 

3.jpg

 

4.jpg

 

5.jpg

6.jpg

 

7.jpg

 

8.jpg

 

9.jpg

 

10.jpg

 

11.jpg

 

 

Fotos: © 2016 Armando Isaac 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

11
Jul15

Amadora cidade da BD

Armando Isaac

O FIBA (Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora), agora também conhecido por Amadora BD, é um festival de banda desenhada realizado na Amadora.
O FIBDA, teve a sua primeira edição em 1989 , tendo-se mantido ininterruptamente até aos dias de hoje e é considerado o mais importante festival de banda desenhada nacional e um dos mais importantes certames europeus.
O festival permite o convívio entre os profissionais e autores de diversas nacionalidades com o público e além da exposição das obras, realiza actividades diversas relacionadas com a 9ª Arte como debates e projecções de filmes relacionados com o tema e de animação.
O festival é temático e todos os anos atribui prémios não só às obras levadas a concurso, como também relacionados com o mercado da banda desenhada.
O FIBDA a partir da sua 20ª edição, começou a ser conhecido pela designação de Amadora BD.
Fonte: Wikipédia

Tendo em vista comemorar os 25 anos do Amadora BD, a Câmara Municipal da Amadora, resolveu reabilitar alguns muros e moradias da Estrada de Queluz e ao mesmo tempo dar-lhe vida e animação, como se prova pelas imagens seguintes.

 

 

DSC_2652.jpg

 

DSC_2609.jpg

 

DSC_2610.jpg

 

DSC_2611.jpg

 

DSC_2614.jpg

 

DSC_2615.jpg

 

DSC_2616.jpg

 

DSC_2617.jpg

 

DSC_2618.jpg

DSC_2619.jpg

 

DSC_2620.jpg

 

DSC_2622.jpg

 

DSC_2624.jpg

 

DSC_2625.jpg

 

DSC_2626.jpg

 

DSC_2628.jpg

 

DSC_2629.jpg

DSC_2630.jpg

 

DSC_2632.jpg

 

DSC_2633.jpg

 

DSC_2634.jpg

 

DSC_2635.jpg

 

DSC_2637.jpg

 

DSC_2639.jpg

 

DSC_2641.jpg

DSC_2643.jpg

 

DSC_2644.jpg

 

DSC_2648.jpg

 

DSC_2650.jpg

 

DSC_2651.jpg

 

 

DSC_2653.jpg

 

DSC_2656.jpg

 

DSC_2658.jpg

 

Fotos: © 2015 Armando Isaac  

 

28
Jun15

Vhils - pintor e grafiteiro

Armando Isaac

Alexandre Farto ou Vhils, como é conhecido na cultura graffiti, é um pintor e grafiteiro português, conhecido pelos seus "Rostos" esculpidos em paredes.
Nasceu em Lisboa em 1987. Terminou os seus estudos em 2008 na University of the Arts em Londres.
Iniciou-se em pintura em 1998 com apenas onze anos. Pintava muros de ruas e comboios da margem sul do rio Tejo.
Como artista urbano, mais recentemente, sendo as suas obras, o fruto do seu ideário e o mundo que o envolve. Este artista de Lisboa, a partir das suas raízes do graffiti/street art tem vindo a explorar novos caminhos dentro da ilustração, animação e design gráfico, misturando o estilo vectorial com o desenho à mão livre, aliado a formas contrastadas e sujas, que nos remetem para momentos épicos.
Em 2011, desenvolveu uma técnica usando explosivos, grafite, restos de cartazes e até retratos feitos com metal enferrujado para criar retratos e frases. Existem trabalhos seus espalhados por vários locais do mundo como as cidades portuguesas de Lisboa, Porto e Aveiro, além de capitais como Londres, Moscovo, Bogotá, e cidades como Medellín, Cali (na Colômbia), Nova York, Los Angeles, Grottaglie (sul da Itália)."
Em 2012, recriou uma guitarra portuguesa para a colecção Tudo isto é... autores da Malabar.
A 10 de Junho de 2015, foi feito Cavaleiro da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.

Fonte: Wikipédia - pintor e grafiteiro

 

DSC_2501.jpg

 

DSC_2502.jpg

 

DSC_2509.jpg

 

DSC_2515.jpg

 

DSC_2518.jpg

 

DSC_2523.jpg

 

IMG_0042.1.jpg

 

IMG_0046.jpg

 

Fotos: © 2015 Armando Isaac

11
Set13

GRAFFITI E STREET ART

Armando Isaac

 

Muita tinta! 

A cidade contemporânea é um artefacto cultural em constante mutação, o resultado de forças históricas e de dinâmicas socioculturais díspares. Diferentes usos e representações do espaço ajudam a compor este habitat, simultaneamente vibrante e complexo. O espaço metropolitano é, por isso, lugar de contendas de natureza simbólica, colisões entre visões e apropriações do território que nem sempre convivem harmoniosamente. É também este o cenário para o curioso mundo do graffiti e da street art.

 

Percorridas quotidianamente por milhares de pessoas, as artérias metropolitanas oferecem uma vasta plateia àqueles que pretendem comunicar com a massa indistinta. A materialidade urbana pode, assim, ser usada não apenas como mecanismo de ordenação da cidade mas igualmente como refúgio de resistência, contestação e inversão da ordem. Uma arqueologia das expressões insurrectas na arquitectura urbana conduz-nos aos inevitáveis exemplos das palavras de ordem do Maio de 68 Francês, às pichações e murais políticos no Portugal da ditadura e do pós - 25 de Abril, aos escritos e graffitis presentes no muro de Berlim ou na Palestina ou, mais recentemente, ao graffiti inspirado na cultura hip-hop de origem nova-iorquina.

Diversas situações, histórica e geograficamente longínquas, anunciam a capacidade de actuação dos cidadãos nos interstícios físicos e sociais da metrópole contemporânea. No quotidiano, diferentes pessoas, agindo solitariamente ou em grupo, apropriam-se dos recursos concedidos pela matéria urbana inserta num campo de visibilidade, operando na sombra da vigilância do poder, reivindicando uma voz através do único canal que lhes é acessível: o espaço público.

 

Códigos e processos criativos

De um modo geral, o cidadão anónimo já aprendeu a falar de graffitis. De há cerca de duas décadas para cá, período em que os murais e as frases politizadas pós-25 de Abril cederam o lugar a protagonistas e emblemas de uma nova era, invocando outras referências e bandeiras, fomo-nos acostumando a este termo estrangeiro, entretanto naturalizado. O que entendemos então quando nos referimos ao graffiti? O termo aplica-se usualmente às inscrições executadas no espaço urbano citadino, em suportes diversos, como os muros, as paredes e variado mobiliário urbano, através da utilização de diferentes instrumentos (geralmente o aerossol ou o marcador). Daí que a definição comum abarque um conjunto extenso de actividades, códigos, técnicas e processos criativos. Numa percepção alargada deste universo podem inscrever-se expressões da denominada street art, obscenidades rebuscadas, frases românticas, aclamações desportivas, entre tantas outras demonstrações de inesgotável competência criativa do sujeito urbano. Porém, uma tag (assinatura e pseudónimo do writer de graffiti) não é semelhante a uma palavra de ordem de um militante político, nem a uma declaração de amor. O writer é aquele que pinta graffiti de acordo com uma série de convenções e técnicas que têm origem na cultura hip-hop, nascida à mais de três décadas na cidade de Nova Iorque. Esta é, actualmente, a versão dominante do graffiti, aquela que impera na nossa paisagem urbana. Aquilo que os writers procuram é ganhar visibilidade, adquirir fama e respeito a partir da disseminação das suas marcas nas superfícies da cidade.

 

Manifestação mural

O graffiti enquanto manifestação mural, de ordem verbal ou pictórica, deriva de um exercício de expressão transgressivo, é uma manobra operada sobre uma superficie proibida.

O graffiti encerra, assim, um duplo sentido comunicacional. Em primeiro lugar, a transgressão, que ostenta desobediência e recusa da norma. Os dois estão interligados, o conteúdo articula-se com o acto de infracção, fora deste contexto perde o seu valor.

 

Voz minoritária e dissidente

Havendo uma concepção mais consensual dos usos e significados atribuidos ao habitat, partilhada pela maioria, poderíamos certamente afirmar, sem receio de criar polémicas, que o graffiti interpreta uma voz minoritária e dissidente na cidade polifónica.O discurso oficial e dos média, que geralmente encontra eco no cidadão comum, tendem a catalogar o graffiti como vandalismo, ou seja, uma agressão, uma violência exercida sobre a cidade e, por extensão, sobre a sociedade. Uma incisão na corporeidade da sociedade que atinge o âmago da sua alma colectiva. Fazer graffiti implica, portanto, não apenas um ataque à materialidade ordenada do espaço mas, e mais grave, àquilo que de mais profundo reconhecemos numa comunidade humana: o significado do mundo. Daí a incompreensão e repressão que atingem o graffiti, pois este quebra convenções, abala convicções e a harmonia do lugar, tal como é entendido pelo discurso dominante. Não por acaso, é considerado sujo, desprovido de senso, simples poluição.

 

 

Ocupação da paisagem urbana

O que se pretende no graffiti, pichação, street-art e demais expressões, é uma espécie de ocupação da paisagem urbana, a conquista de um espaço de comunicação exposto para um público imenso e indeterminado.

O graffiti e a street art (também denominada por alguns como pós-graffiti) assumem, em muitos casos, uma evidente preocupação estética. O aperfeiçoamento estilístico e técnico, o desenvolvimentos de linguagens pictóricas singulares, são objectivos partilhados por muitos. Esta prática minoritária sugere uma dissociação entre a arte erudita (ou a cultura elevada) e aquilo que podemos denominar genericamente como arte de rua, mais alicerçada no dia-a-dia, no espaço público, na cultura de massas e nas novas tecnologias. E não é por acaso que este se assume como um domínio essencialmente juvenil. No contexto das culturas juvenis a fruição estética é mais próxima e física, pode-se tocar e sentir, colidindo com uma ideia de arte distanciada e contemplativa. Os bens estéticos expõem-se e criam-se nas paredes das cidades, no monitor do computador, nas câmaras digitais e no telemóvel, nos corpos tatuados, nos cadernos de desenhos, no quarto ou numa a garagem recheada de instrumentos musicais. A estetização irrompe do quotidiano, com uma forte presença da visualidade que tudos abarca, da expressão corporal e do estilo, às tatuagens e piercings ou ao graffiti e street art.

 

 

(Tanscreve-se, com a devida vénia, a análise antropológica de Ricardo Campos - cientista social e investigador CEMRI-UAB, publicada na revista CAIS #150)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Fotos © 2013 Armando Isaac

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Mensagens

Calendário

Maio 2020

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D