Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

22
Set19

II - Nazaré e o Sítio

Armando Isaac

 

O Sítio da Nazaré é um impressionante promontório, onde temos uma das mais conhecidas panorâmicas da costa portuguesa. São 318 metros de rocha a cair a pique até ao mar, a que se chega a pé, para os mais corajosos, ou subindo de ascensor. No alto, encontramos a pequena Ermida da Memória, onde se conta a lenda do milagre que Nossa Senhora fez impedindo o cavalo de um fidalgo, D. Fuas Roupinho, de se lançar no precipício. Verdade ou não, no Miradouro do Suberco mostra-se o sinal deixado na rocha pela ferradura, nessa manhã de nevoeiro de 1182. No Sítio, podemos ainda visitar o Santuário de Nossa Senhora da Nazaré.

Atualmente, a grande atração desta vila são as ondas e o surf, graças ao “Canhão da Nazaré”, um fenómeno geomorfológico submarino que permite a formação de ondas gigantes e perfeitas. Trata-se do maior desfiladeiro submerso da Europa, com cerca de 170 quilómetros ao longo da costa, que chega a ter 5000 metros de profundidade. 

O surfista havaiano Garrett McNamara deu-lhe a visibilidade mundial quando, em 2011, fez a maior onda do mundo em fundo de areia, com cerca de 30 metros, na Praia do Norte, vencendo o prémio Billabong XXL Global Big Wave Awards e batendo um record do Guiness Book. À sua semelhança, surfistas de todo o mundo visitam a Nazaré todos os anos para se aventurarem no mar. Na praia, os banhos de sol também são apreciados e uma excelente plateia para apreciar as proezas destes jovens.

Conhecendo-se os locais e momentos adequados, podem obter-se excelente imagens da praia da Nazaré, do Farol e do próprio Sítio da Nazaré.

DSCF2368.jpg

 

DSCF2370.jpg

 

DSCF2371.jpg

 

DSCF2372.jpg

 

DSCF2373.jpg

 

DSCF2378.jpg

 

DSCF2379.jpg

 

DSCF2380.jpg

 

DSCF2383.jpg

 

DSCF2385.jpg

DSCF2389.jpg

 

DSCF2390.jpg

 

DSCF2399.jpg

 

DSCF2400.jpg

 

DSCF2401.jpg

 

DSCF2404.jpg

 

DSCF2408.jpg

 

DSCF2409.jpg

 

DSCF2410.jpg

 

DSCF2411.jpg

DSCF2412_1.jpg

 

DSCF2413_1.jpg

 

DSCF2414_1.jpg

 

DSCF2417_1.jpg

 

DSCF2419_1.jpg

 

DSCF2420_1.jpg

 

 

DSCF2422.jpg

 

DSCF2423_1.jpg

 

DSCF2425_1.jpg

DSCF2426_1.jpg

 

 

DSCF2428_1.jpg

 

 

DSCF2433.jpg

 

DSCF2434.jpg

 

 

 

DSCF2438.jpg

 

DSCF2441.jpg

DSCF2442.jpg

 

DSCF2445.jpg

 

DSCF2447.jpg

 

DSCF2453.jpg

 

DSCF2461.jpg

 

DSCF2477.jpg

 

DSCF2488.jpg

Fotos: © 2019 Armando Isaac

 

26
Mar17

As Belezas do Carnaval da Nazaré

Armando Isaac

O Carnaval da Nazaré é essencialmente de cariz popular, constituido numa maioria significativa por mulheres. Estas aproveitam o evento para se embelezarem, em vez de se mascararem. Desfilam toda a sua beleza, contagiando toda a gente com a sua alegria, colorido e animação.

DSC_1734_02_00001.jpg

 

DSC_1741_01_00002.jpg

 

DSC_1743_01_00003.jpg

 

DSC_1751_01_00004.jpg

 

DSC_1790_01_00005.jpg

 

DSC_1886_01_00006.jpg

 

DSC_1890_01_00007.jpg

 

DSC_1891_01_00008.jpg

 

DSC_1899_03_00009.jpg

 

DSC_1921_01_00010.jpg

DSC_1925_01_00011.jpg

 

DSC_1926_01_00012.jpg

 

DSC_1929_01_00013.jpg

 

DSC_1931_01_00014.jpg

 

DSC_1932_01_00015.jpg

 

DSC_1940_01_00016.jpg

 

DSC_1943_01_00017.jpg

 

DSC_1944_01_00018.jpg

 

DSC_1948_01_00019.jpg

 

DSC_1950_01_00020.jpg

DSC_1952_01_00021.jpg

 

DSC_1959_01_00022.jpg

 

DSC_1960_02_00023.jpg

 

DSC_1970_01_00024.jpg

 

DSC_1972_01_00025.jpg

 

DSC_1976_01_00026.jpg

 

DSC_1982_01_00027.jpg

 

DSC_1983_01_00028.jpg

 

DSC_1988_01_00029.jpg

 

DSC_1993_01_00030.jpg

DSC_2016_01_00031.jpg

 

DSC_2033_01_00032.jpg

 

DSC_2034_01_00033.jpg

 

DSC_2046_01_00034.jpg

 

DSC_2055_01_00035.jpg

 

DSC_2239_01_00036.jpg

 

DSC_2249_01_00037.jpg

 

DSC_2259_01_00038.jpg

 

DSC_2261_01_00039.jpg

 

DSC_2262_01_00040.jpg

 

Fotos: © 2017 Armando Isaac

 

 

 

 

25
Jul13

Praia da Nazaré

Armando Isaac

A Praia da Nazaré é de uma das mais tradicionais vilas piscatórias portuguesas, possuindo a praia de banhos mais concorrida do litoral Oeste, onde ainda se podem encontrar, no areal, algumas mulheres vestidas com o tradicional traje de sete saias, a cuidar do peixe que seca ao sol.

A praia de banhos, completamente integrada na área urbana pelo casario da marginal, é limitada a norte pelo promontório e a sul e pelo molhe do porto de abrigo, conservando no Verão as tradicionais barracas de pano com riscas de cores fortes. Banhada por um mar por vezes bravio e com ondulação forte, é ideal para a natação, o surf e o bodyboard.

Para apreciar a beleza do areal em toda a sua extensão bem como o casario da Praia da Nazaré vale a pena subir ao Sítio da Nazaré, através do elevador com mais de cem anos, que liga o centro da vila ao seu ponto mais alto.

No dia 01/11/2011  a Praia da Nazaré andou nas bocas do mundo, pois o surfista Havaina, Garret McNamara surfou (na região conhecida como Norte do Canhão), uma onda medida pelo Billabong XXL Global Big Wave Award de 2011 com 78 pés, entrando para  o Guiness Book of Records , mostrando como o canhão de Nazaré tem potencial para a prática de tow-in em ondas gigantes. No dia 28/01/2013 o surfista Garrett Mc Namara surfou novamente uma onda calculada em 34 m (112 ft) que poderá bater o seu recorde anterior, já considerada a maior de sempre, segundo o Guinness.

O Canhão da Nazaré, ou Canal da Nazaré é um desfiladeiro submarino de origem tectónica situado ao largo da costa da Nazaré, relacionado com a falha da Nazaré-Pombal, começando a definir-se a cerca de 500 metros da costa. Considerado por muitos o maior da Europa, separa a costa da Península Ibérica na direção este-oeste desde a plataforma continental, numa extensão de cerca de 211 km começando a uma profundidade de 50 metros até à planície abissal Ibérica onde atinge profundidades na ordem dos 5000 metros.

O Canhão de Nazaré também funciona como um polarizador de ondulações. As ondas conseguem viajar a uma velocidade muito maior pela falha geológica, chegando na costa praticamente sem dissipação de energia. A Praia do Norte, na vila de Nazaré, apresenta consistentemente ondas significativamente maiores do que o restante da costa portuguesa por conta do Canhão de Nazaré. As correntes predominantes de norte funcionam como condutas sedimentares, ao longo das quais há intensificação dos processos de transporte de partículas entre a zona costeira e o domínio profundo do mar, o transporte de matéria particulada (sedimentos) ao longo de todo o canhão parece eficiente. 

 

Fonte: Wikipédia


A praia
As barracas de praia
Veraneantes em pose
As barracas de praia
Uma visão pouco habitual da praia
Vista da praia para Sul
As barracas de praia
Vista da praia para Sul
Vista para Sul
A foz do rio Alcôa
A praia a Norte
Vendedeira de bolos
As bandeiras
Cadeira privativa do Guimarães
Peixe seco
Paneiros de carapau seco
Vista do Sítio
Vista do Sítio
Vista do Sítio
Um dos miradores do Sítio
Padrão de Vasco da Gama 
Capela da Sra da Boa Memória
Vista do Sítio
Largo da Igreja de N. Sra da Nazaré
Pedra do Guilhim
Praia do Norte
Cabeça de Gorila


FOTOS: © Armando Isaac

11
Abr12

Nazaré - Jogos Tradicionais

Armando Isaac

É uma tradição muito antiga, por altura da Páscoa, efectuarem-se na bonita praia da Nazaré, vários jogos tradicionais. Salienta-se entre todos o jogo da péla, pelo número de participantes que envolve, jogado exclusivamente por mulheres, sendo vedado o trânsito na marginal, para esse efeito.

Faz parte da tradição que grande parte das nazarenas vistam os seus trajos tradicionais de sete saias, com bonitos aventais bordados e belos camiseiros.

 

 

  

Praia da Nazaré

 

 

Nazaré Norte

 

 

Lançamento do pião

 

 

O pião girando

 

 

Apanha do pião

 

 

Casario da Nazaré

 

 

Praça Sousa oliveira

 

 

Jogo da péla na Praça Sousa Oliveira

 

 

Jogo da péla na Praça Sousa Oliveira

 

 

Veleiro

 

 

Jogo da péla na marginal

 

 

Esta vai acertar no caixote

 

 

Preparação para o lançamento da péla.

 

 

Concertando estratégias

 

 

Lançamento da péla

 

 

Abram alas que o lançamento é vigoroso

 

 

Defendendo a péla

 

 

Praia da Nazaré

 

 

Lançamento

 

 

Expectativa.

 

 

Casario na marginal da Nazaré

 

 

Atira que eu defendo!

 

 

Lançamento da péla

 

 

Lançamento da péla

 

 

Há miga.... deixámos a nossa adeversária de rastos.

 

 

Esta acertou no caixote

 

 

Jogo da péla na marginal da Nazaré

 

 

FOTOS: © Armando Isaac

29
Ago10

Pensão Laranjo

Armando Isaac
© Armando Isaac




































                                                                                                               





   À SENHORA MARIA LARANJ0
       DA PRAIA DA NAZARÉ
Minha boa Amiga senhora Maria
Laranjo, da praia da Nazaré,
em que tanto admiro essa fidalguia
de um povo que na Europa o mais fino é, 
muito agradecido pelo almoço Real
que aí me deu junto às ondas do mar;
tivera Camões comido um igual, 
fazia-lhe versos, mas não a zombar.
Minha boa Amiga senhora Maria
Laranjo, da praia da Nazaré,
por minha mulher a receberia
(se a minha Amiga quisesse, já se vê)
se acaso a conheço, quando era solteiro,
para ser agora - ventura tamanha -
em vez de pobre doutor, marinheiro,
mendigo do mar, arrais de companha.
Estando da banda dos pobres do mar
já eu não teria, como tenho às vezes
remorsos tamanhos e tão graves fezes
de ver tantas dores em roda a penar;
assim penaria e acreditaria
como eles, por lindo milagre da fé,
que depois no mar do Paraíso seria
o pescador mais feliz da Nazaré!...
Mas já que eu errei, por destino fatal,
o que era a minha pura, certa vocação,
saiba que em si louvo e admiro Portugal
no que tem de belo - alma e coração.
E saibam as altas senhoras princesas
que há uma fidalga aí na Nazaré
com que elas podem aprender finezas
e a dar um almoço que tão fino é.
© Poema de Afonso Lopes Vieira

20
Jun10

Sonho delicado

Armando Isaac
                                                                                                                                   © Armando Isaac

Se enquanto dormes
me amas em sonho delicado 
a noite é toda iluminada 
para este mar prateado
Mas se te espero 
sem esperança de que apareças
que nome dar á tristeza, sem sol 
mundo ás avessas

Se te transformas em arco-íris 
tudo banhando de claridade  
é azul o horizonte
alegremente serena esta vontade
Mas se estás longe
sol no outro lado do hemisfério
são escuros os sonhos 
no precipício do mistério
Há gaivotas na praia 
grasnando, com seu passo desengonçado
golfinhos saltando de alegria
 se estás ao meu lado
E um doce sorriso 
na maresia deste mar gelado
com sol ou sem ele 
sempre que estás a meu lado.
* Do livro “Perguntas ao Outono” - Fernando Antunes
11
Mai10

Acorda cedo a gaivota

Armando Isaac

























                                                                                                                           © Armando Isaac
Acorda cedo a gaivota, vagueando tonta pela areia
hábito que antecede a paixão, presa ainda nessa teia
Levanta voo, paira por momentos em procura errante
que lhe permita ainda e sempre ver a casa amante
À luz da saudade nada poderá violar a eterna paixão
ainda ela perdurará, mesmo que se dê a final implosão
A gaivota sabe da insensatez na miragem da casa, inevitável
mas o doce amargo do sonho está na ausência do realizável
Assim, nessa abstracção indecisa se vai terminando a existência 
se vai hipotecando irresponsavelmente uma futura vivência
E as horas destas noites nem dormidas nem amadas
deserto percorrido com miragens, sem oásis, são pesadas 
Por isso o vagabundear nas manhãs orvalhadas é habitual
a imagem do passado, na casa, mais repetitivo, trivial 
*Poema do livro Casa da Praia - Fernando Antunes
28
Abr10

Farol

Armando Isaac

























Diz-me, por favor, o porquê dessa insatisfação…. Calas-te? 
                                      
Já te disse …                                                                                              
gosto deste vento... Dá-me um cigarro.
                                                                                                                                      
Já viste?
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                
O farol a lamber a noite
a lua muito branca   
este mar tão calmo.... Como se dormisse.
                                                                                                                                       
Porquê desatar a urgência do dizer? 





© Foto: Armando Isaac; Poema: Fernando Antunes

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Mensagens

Calendário

Maio 2020

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D