Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

13
Nov18

Museu Cargaleiro - Cerâmica

Armando Isaac

O Solar dos Cavaleiro, edifício dos meados do Séc. XVIII acolhe desde 2005 o Museu Cargaleiro.

Neste edifício histórico encontra-se actualmente exposta uma mostra de cerâmica popular, que data essencialmente do Século XIX, designada por Cerâmica Ratinha, que ocupa uma posição particular no âmbito da cerâmica nacional, bem como uma ligação muito próxima ao território albicastrense. Encontra-se também exposta uma mostra da Cerâmica de Triana, com obras do Séc. XIX oriundas de Triana, em Sevilha, que se apresentam com formas e cores distintas das peças anteriores e demonstram as influências geográficas e culturais na produção da cerâmica.

(Excerto museu e turismo)

DSC_6211.jpg

 

DSC_6217_02.jpg

 

DSC_6218_01.jpg

 

DSC_6219_01.jpg

 

DSC_6220_01.jpg

 

DSC_6221_01.jpg

 

DSC_6222_01.jpg

 

DSC_6223_01.jpg

 

DSC_6224_01.jpg

 

DSC_6225_01.jpg

DSC_6226_01.jpg

 

DSC_6227_01.jpg

 

DSC_6228_01.jpg

 

DSC_6229_01.jpg

 

DSC_6230_01.jpg

 

DSC_6231_01.jpgFotos: © 2018 Armando Isaac

 

04
Nov15

Frida Kahlo

Armando Isaac

Frida Kahlo nasceu em 6 de julho de 1907 na casa de seus pais, conhecida como La Casa Azul (A Casa Azul), em Coyoacán, na época uma pequena cidade nos arredores da Cidade do México que é hoje um distrito.
Seu pai, Guillermo Kahlo (1871-1941), nasceu Carl Wilhelm Kahlo, em Pforzheim Alemanha, filho de Henriette Kaufmann e Jakob Heinrich Kahlo. A própria Frida afirmava que seu pai era de ascendência judaico-húngara, mas pesquisadores demonstraram que os pais dela não eram judeus, mas luteranos alemães. Guillermo Kahlo chegou ao México em 1891, aos 19 anos de idade, e logo mudou seu nome alemão, Wilhelm, para o equivalente em espanhol, "Guillermo".
A mãe de Frida, Matilde Gonzalez y Calderón, era uma católica devota de origem indígena e espanhola. Os pais de Frida casaram-se logo após a morte da primeira esposa de Guillermo, durante o nascimento do seu segundo filho. Embora o casamento tenha sido muito infeliz, Guillermo e Matilde tiveram quatro filhas, sendo Frida a terceira. Ela tinha duas meio-irmãs mais velhas. Frida ressaltava que cresceu em um mundo cheio de mulheres. Durante a maior parte de sua vida, no entanto, Frida manteve-se próxima do pai.
Em 1913, com seis anos, Frida contraiu poliomielite, a primeira de uma série de doenças, acidentes, lesões e operações que sofreu ao longo da vida. A poliomielite deixou uma lesão no seu pé direito, pelo que ganhou o apelido de Frida pata de palo (ou seja, Frida perna de pau). Passou a usar calças, depois longas e exóticas saias, que se tornaram uma de suas marcas pessoais.
Ao contrário de muitos artistas, Kahlo não começou a pintar cedo. Embora o seu pai tivesse a pintura como um passatempo, Frida não estava particularmente interessada na arte como uma carreira.
Entre 1922 e 1925 frequenta a Escola Nacional Preparatória do Distrito Federal do México e assiste a aulas de desenho e modelagem.
Em 1925, aos 18 anos, aprende a técnica da gravura com Fernando Fernandez. Então sofreu um grave acidente. Um bonde, no qual viajava, chocou-se com um trem. O pára-choque de um dos veículos perfurou-lhe as costas, atravessou a sua pélvis e saiu pela vagina, causando uma grave hemorragia. Frida ficou muitos meses entre a vida e a morte no hospital, teve que operar diversas partes e reconstruir por inteiro seu corpo, que estava todo perfurado. Tal acidente obrigou-a a usar coletes ortopédicos de diversos materiais, e ela chegou a pintar alguns deles (como o colete de gesso da tela intitulada A Coluna Partida').
Durante a sua longa convalescença, começou a pintar, usando a caixa de tintas de seu pai e um cavalete adaptado à cama.
Em 1928, entrou no Partido comunista mexicano e conheceu o muralista Diego Rivera, com quem se casa no ano seguinte. Sob a influência da obra do marido, adotou o emprego de zonas de cor amplas e simples, num estilo propositadamente reconhecido como ingênuo. Procurou na sua arte afirmar a identidade nacional mexicana, por isso adotava com muita frequência temas do folclore e da arte popular do México.
Entre 1930 e 1933 passa a maior parte do tempo em Nova Iorque e Detroit, com Rivera. Entre 1937 e 1939, recebeu Leon Trotski em sua casa de Coyoacán.
Em 1938 André Breton qualifica sua obra de surrealista em um ensaio que escreveu para a exposição de Kahlo na galeria Julien Levy de Nova Iorque. Não obstante, ela mesma declarou mais tarde: Pensavam que eu era uma surrealista, mas eu não era. Nunca pintei sonhos. Pintava a minha própria realidade.
Em 1939 expõe em Paris na galeria Renón et Colle. A partir de 1943 dá aulas na escola La Esmeralda, no D.F. (México).
Em 1953 a Galeria de Arte Contemporânea desta mesma cidade organiza uma importante exposição em sua honra.
Alguns de seus primeiros trabalhos incluem o Auto-retrato em um vestido de veludo (1926), Retrato de Miguel N. Lira (1927), Retrato de Alicia Galant (1927) e Retrato de minha irmã Cristina (1928).
Casa-se aos 22 anos com Diego Rivera, em 1929, um casamento tumultuoso, visto que ambos tinham temperamentos fortes e casos extraconjugais. Kahlo, que era bissexual, teve um caso com Leon Trotski depois de separar-se de Diego. Rivera aceitava abertamente os relacionamentos de Kahlo com mulheres, mesmo sendo elas casadas, mas não aceitava os casos da esposa com homens. Frida descobre que Rivera mantinha um relacionamento com sua irmã mais nova, Cristina.
Após essa outra tragédia de sua vida, separa-se dele e vive novos amores com homens e mulheres, mas em 1940 une-se novamente a Diego. O segundo casamento foi tão tempestuoso quanto o primeiro, marcado por brigas violentas. Ao voltar para o marido, Frida construiu uma casa igual à dele, ao lado da casa em que eles tinham vivido. Essa casa era ligada à outra por uma ponte, e eles viviam como marido e mulher, mas sem morar juntos. Encontravam-se na casa dela ou na dele, nas madrugadas.
Embora tenha engravidado mais de uma vez, Frida nunca teve filhos, pois o acidente que a perfurou comprometeu seu útero e deixou graves sequelas, que a impossibilitaram de levar uma gestação até o final, tendo tido diversos abortos.
Tentou diversas vezes o suicídio com facas e martelos.
Em 13 de julho de 1954, Frida Kahlo, que havia contraído uma forte pneumonia, foi encontrada morta. O seu atestado de óbito regista embolia pulmonar como a causa da morte. Mas não se descarta a hipótese de que tenha morrido de overdose (acidental ou não), devido ao grande número de remédios que tomava. A última anotação no seu diário, diz "Espero que minha partida seja feliz, e espero nunca mais regressar - Frida", permite a hipótese de suicídio. Seu corpo foi cremado, e suas cinzas encontram-se depositadas em uma urna em sua antiga casa, hoje Museu Frida Kahlo.

Fonte: Wikipédia

 

DSC_4614 Museu Frida Kahlo.jpg

 

DSC_4617.jpg

 

DSC_4618.jpg

 

DSC_4619.jpg

 

DSC_4620.jpg

 

DSC_4621.jpg

 

Frida Kahlo 

DSC_4622.jpg

 

Frida Kahlo

DSC_4624.jpg

 

DSC_4625.jpg

 

DSC_4628.jpg

DSC_4629.jpg

 

DSC_4630.jpg

 

DSC_4631.jpg

Leon Trostski (2º), Frida e Diego Rivera (4º)

 

DSC_4636.jpg

 

Frida Kahlo 

DSC_4637.jpg

 

DSC_4638.jpg

 

DSC_4641.jpg

 

Frida Kahlo 

DSC_4642.jpg

 

DSC_4643.jpg

 

DSC_4644.jpg

DSC_4645.jpg

 

DSC_4646.jpg

 

DSC_4647.jpg

 

DSC_4648.jpg

 

DSC_4649.jpg

 

DSC_4650.jpg

 

DSC_4652.jpg

 

Cozinha 

DSC_4654.jpg

 

Atelier 

DSC_4656.jpg

 

Atelier

DSC_4657.jpg

 

Atelier

DSC_4658.jpg

 

Quarto de dormir 

DSC_4659.jpg

 

Quarto de dormir 

DSC_4661.jpg

 Quarto de dormir

DSC_4662.jpg

 

Rádio 

DSC_4663.jpg

 

DSC_4665.jpg

 

Jardim

DSC_4666.jpg

 

Jardim 

DSC_4673.jpg

 

Cintas o outros materiais ortopédicos 

DSC_4674.jpg

 

Prótese 

DSC_4675.jpg

DSC_4676.jpg

 

Vestidos 

DSC_4677.jpg

 

Vestidos 

DSC_4678.jpg

 

Vestidos 

DSC_4679.jpg

 

DSC_4680.jpg

 

Cinta ortopédica 

DSC_4682.jpg

 

Vestidos

DSC_4683.jpg

 

Vestidos 

DSC_4684.jpg

 

Jardim 

DSC_4689.jpg

 

Casa Azul 

DSC_4692 Frida Kahlo.jpg

 

Casa Azul

Fotos: © 2015 Armando Isaac 

 

 

 

28
Jun15

Vhils - pintor e grafiteiro

Armando Isaac

Alexandre Farto ou Vhils, como é conhecido na cultura graffiti, é um pintor e grafiteiro português, conhecido pelos seus "Rostos" esculpidos em paredes.
Nasceu em Lisboa em 1987. Terminou os seus estudos em 2008 na University of the Arts em Londres.
Iniciou-se em pintura em 1998 com apenas onze anos. Pintava muros de ruas e comboios da margem sul do rio Tejo.
Como artista urbano, mais recentemente, sendo as suas obras, o fruto do seu ideário e o mundo que o envolve. Este artista de Lisboa, a partir das suas raízes do graffiti/street art tem vindo a explorar novos caminhos dentro da ilustração, animação e design gráfico, misturando o estilo vectorial com o desenho à mão livre, aliado a formas contrastadas e sujas, que nos remetem para momentos épicos.
Em 2011, desenvolveu uma técnica usando explosivos, grafite, restos de cartazes e até retratos feitos com metal enferrujado para criar retratos e frases. Existem trabalhos seus espalhados por vários locais do mundo como as cidades portuguesas de Lisboa, Porto e Aveiro, além de capitais como Londres, Moscovo, Bogotá, e cidades como Medellín, Cali (na Colômbia), Nova York, Los Angeles, Grottaglie (sul da Itália)."
Em 2012, recriou uma guitarra portuguesa para a colecção Tudo isto é... autores da Malabar.
A 10 de Junho de 2015, foi feito Cavaleiro da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.

Fonte: Wikipédia - pintor e grafiteiro

 

DSC_2501.jpg

 

DSC_2502.jpg

 

DSC_2509.jpg

 

DSC_2515.jpg

 

DSC_2518.jpg

 

DSC_2523.jpg

 

IMG_0042.1.jpg

 

IMG_0046.jpg

 

Fotos: © 2015 Armando Isaac

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Mensagens

Calendário

Junho 2020

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D