Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

#MOMENTOS

Momentos são pequenas fracções de tempo em que algo, único e irrepetível, acontece e que o fotógrafo teve a capacidade de captar! Mostram-nos movimento, emoção e contam-nos uma história.

23
Out20

Lenda do Rei Vamba

Armando Isaac

A lenda do rei Vamba, ou Maldição de Ródão, fala do amor adúltero de uma rainha cristã, que vivia no Castelo de Ródão, com um rei mouro residente do outro lado do rio. Diz a lenda que se namorava, sentados em cadeiras de pedra, situadas num e noutro lado das Portas de Ródão, enquanto o rei cristão andava na caça ou na guerra. Diz-se ainda que o rei mouro decidiu raptar a rainha cristã e para esse fim escavou um túnel, com início no Buraco da Faiopa, para passar por baixo do rio. Mas falhou o propósito e o túnel terminou a grande altitude, no morro sul das Portas de Ródão, onde existe uma cavidade que chamam Buraca da Moura.

O rei mouro acabou por fugir com a amante que atravessou o rio sobre uma teia de linho. Segundo a lenda, o rei Vamba conseguiu raptar a mulher. Esta foi julgada em tribunal familiar que a condenou á morte por despenhamento, presa a uma mó. Na queda a rainha lançou a seguinte maldição sobre Ródão: “ nesta terra não haverá cavalos de regalo, nem padres se ordenarão e putas não faltarão”. Por onde a rainha passou, arrastada pela mó, diz a lenda, jamais nasceu mato.

O local também conhecido por Castelo de Ródão, Castelo das Vila Ruivas, ou Castelo das Portas, chama a atenção para um monumento classificado, implantado na área do Monumento Natural das Portas de Ródão, um espaço de extraordinária beleza cénica e de grande importância estratégica, cruzamento de rotas e vias de comunicação, com destaque para as da transumância, entre a Serra da Estrela e o Alentejo e das invasões militares, dirigidas a Lisboa, que passaram o Tejo em Vila Velha de Ródão.

A sua origem pode estar relacionada com a doação do território da Açafa, por D. Sancho I, à Ordem do Templo, em 1199, embora se admita uma origem anterior.

Enquanto construção para fins militares, deve ser considerada como uma torre de vigia, embora mais complexa que o comum das estruturas. È constituído por uma torre e uma muralha fechada. A porta original da torro situa-se ao nível do andar superior. No lintel, da porta, existem cinco linhas gravadas e a cruz da Ordem do Templo.

Inicialmente, durante a Reconquista Cristã, teria como principais funções a vigilância da linha de fronteira do Tejo, das incursões muçulmanas provenientes do sul. A partir dos tempos modernos, o Castelo viria a ser utilizado, em particular nos séculos XVIII e XIX, como base de artilharia tendo em vista impedir a passagem do Tejo, de norte para sul e, consequentemente, a entrada no Alentejo, de acordo com uma rota de invasão através da Beira Baixa. Foi o que sucedeu durante a Guerra dos Sete Anos e na 1ª invasão Francesa, em 1807.

In inf. turística

DSC_6423.jpg

DSC_6424.jpg

DSC_6425 Castelo do Rei Vamba (2).jpg

DSC_6428 (1).jpg

DSC_6429 (1).jpg

DSC_6430 (1).jpg

DSC_6431.jpg

DSC_6432.jpg

DSC_6437 Castelo do Rei Vamba.jpg

DSC_6438.jpg

DSC_6439.jpg

Fotos: © 2020 Armando Isaac

 

 

 

 

 

 

 

 

05
Nov18

Castelo do Rei Vamba

Armando Isaac

A lenda do rei Vamba, ou Maldição de Ródão, fala do amor adúltero de uma rainha cristã, que vivia no Castelo de Ródão, com um rei mouro residente do outro lado do rio. Diz a lenda que se namorava, sentados em cadeiras de pedra, situadas num e noutro lado das Portas de Ródão, enquanto o rei cristão andava na caça ou na guerra. Diz-se ainda que o rei mouro decidiu raptar a rainha cristã e para esse fim escavou um túnel, com início no Buraco da Faiopa, para passar por baixo do rio. Mas falhou o propósito e o túnel terminou a grande altitude, no morro sul das Portas de Ródão, onde existe uma cavidade que chamam Buraca da Moura.

O rei mouro acabou por fugir com a amante que atravessou o rio sobre uma teia de linho. Segundo a lenda, o rei Vamba conseguiu raptar a mulher. Esta foi julgada em tribunal familiar que a condenou á morte por despenhamento, presa a uma mó. Na queda a rainha lançou a seguinte maldição sobre Ródão: “ nesta terra não haverá cavalos de regalo, nem padres se ordenarão e putas não faltarão”. Por onde a rainha passou, arrastada pela mó, diz a lenda, jamais nasceu mato.

O local também conhecido por Castelo de Ródão, Castelo das Vila Ruivas, ou Castelo das Portas, chama a atenção para um monumento classificado, implantado na área do Monumento Natural das Portas de Ródão, um espaço de extraordinária beleza cénica e de grande importância estratégica, cruzamento de rotas e vias de comunicação, com destaque para as da transumância, entre a Serra da Estrela e o Alentejo e das invasões militares, dirigidas a Lisboa, que passaram o Tejo em Vila Velha de Ródão.

A sua origem pode estar relacionada com a doação do território da Açafa, por D. Sancho I, à Ordem do Templo, em 1199, embora se admita uma origem anterior.

Enquanto construção para fins militares, deve ser considerada como uma torre de vigia, embora mais complexa que o comum das estruturas. È constituído por uma torre e uma muralha fechada. A porta original da torro situa-se ao nível do andar superior. No lintel, da porta, existem cinco linhas gravadas e a cruz da Ordem do Templo.

Inicialmente, durante a Reconquista Cristã, teria como principais funções a vigilância da linha de fronteira do Tejo, das incursões muçulmanas provenientes do sul. A partir dos tempos modernos, o Castelo viria a ser utilizado, em particular nos séculos XVIII e XIX, como base de artilharia tendo em vista impedir a passagem do Tejo, de norte para sul e, consequentemente, a entrada no Alentejo, de acordo com uma rota de invasão através da Beira Baixa. Foi o que sucedeu durante a Guerra dos Sete Anos e na 1ª invasão Francesa, em 1807.

In inf. turística 

DSC_6425 Castelo do Rei Vamba.jpg

 

DSC_6426.jpg

 Castelo do Rei Vamba

DSC_6427.jpg

 

DSC_6428.jpg

 

DSC_6429_01.jpg

 

DSC_6430_01.jpg

 

DSC_6431.jpg

Portas de Ródão 

DSC_6432.jpg

 

DSC_6433.jpg

 

DSC_6436.jpg

 

DSC_6437 Castelo do Rei Vamba.jpg

Fotos: © 2018 Armando Isaac   

 

28
Jun15

Escaroupim, rio acima

Armando Isaac

Escaroupim é uma típica aldeia piscatória, formada em meados dos anos 30. Alves Redol chamou “nómadas do rio” a estas famílias que durante os meses de inverno se deslocavam de Vieira de Leiria para o rio Tejo, para as campanhas de pesca de inverno, regressando no verão à sua terra natal, para pescar no mar. Alguns destes pescadores foram ficando pelas margens do Tejo, formando pequenas povoações piscatórias ao longo do rio.

 

DSC_1420.jpg

 

DSC_1421.jpg

 

DSC_1422.jpg

 

DSC_1423.jpg

 

DSC_1425.jpg

 

DSC_1429.jpg

 

DSC_1430.jpg

 

DSC_1434.jpg

DSC_1443.jpg

 

DSC_1449.jpg

 

DSC_1471.jpg

 

DSC_1472.jpg

 

DSC_1479.jpg

 

DSC_1480.jpg

 

DSC_1497.jpg

 

DSC_1515.jpg

DSC_1547.jpg

 

DSC_1550.jpg

 

DSC_1551.jpg

 

DSC_1563.jpg

 

DSC_1591.jpg

 

DSC_1643.jpg

 

DSC_1653.jpg

 

DSC_1654.jpg

 

DSC_1656.jpg

 

Fotos: © 2015 Armando Isaac 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Mensagens

Calendário

Julho 2022

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D